quinta-feira, 24 de maio de 2018

«Divulgação» - Dezenas de crianças de quatro municípios em encontro inter-concelhio de Andebol no estádio municipal

No próximo sábado, 26 de maio, a partir das 9h30, no estádio municipal, em Moimenta da Beira, várias dezenas de crianças de quatro municípios (Moimenta da Beira, S. João da Pesqueira, Penedono e Sernancelhe) participam num Encontro Inter-Concelhio do projeto “Andebol4kids” que visa estimular a prática de atividades físicas/desportivas (Andebol) devidamente adequados ao escalão etário dos alunos do 1º ciclo, em equipas A e B masculinos, femininos ou mistos. A organização é da Câmara Municipal de Moimenta da Beira e da Associação de Andebol de Viseu. O evento é aberto à comunidade.


Programa
09:00 – Receção das equipas


09:30 – Penedono A vs SJ Pesqueira A (Campo Nº1)
09:30 – Penedono B vs SJ Pesqueira B (Campo Nº 2)
09:30 – Penedono vs SJ Pesqueira (Campo Nº3)
10:00 – Moimenta da Beira A vs Sernancelhe A (Campo Nº1)
10:00 – Moimenta da Beira B vs Sernancelhe B (Campo Nº2)
10:15 – Moimenta da Beira vs Sernancelhe (Campo Nº3)
10:30 – Moimenta da Beira A vs SJ Pesqueira A (Campo Nº1)
10:30 – Moimenta da Beira B vs SJ Pesqueira B (Campo Nº2)
11:00 – Moimenta da Beira B vs SJ Pesqueira B (Campo Nº2)
11:00 – Sernancelhe A vs Penedono A (Campo Nº1
11:00 – Sernancelhe B vs Penedono B (Campo Nº2)
11:45 – Sernancelhe vs Penedono (Campo Nº3)
11:30 – Penedono A vs Moimenta da Beira A (Campo Nº1)
11:30 – Penedono B vs Moimenta da Beira B (Campo Nº2)
12:00 – SJ Pesqueira A vs Sernancelhe A (Campo Nº1)
12:00 – SJ Pesqueira B vs Sernancelhe B (Campo Nº2)
12:45 – Almoço (Escola EB2 de Moimenta da Beira)
14:30 – Atividade Cultural (Escolíadas do Agrupamento de Escolas de Mtªda Beira)
15:30 – Apuramento 7º/8º Lugar (Campo Nº1)
15:30 – Apuramento 5º/6º Lugar (Campo Nº2)
15:30 – Penedono vs Moimenta da Beira (Campo Nº3 – Feminino)
16:15 – Apuramento 3º/4º Lugar (Campo Nº 1)
16:15 – SJ Pesqueira vs Sernancelhe (Campo Nº 3 – Feminino)
17:00 – Apuramento 1º/2º Lugar (Campo Nº 1)
17:30 – Entrega de Prémios
18:00 – Regresso a casa
Fonte: CMMB

«Divulgação» - Historiadora galardoada com o Prémio Pessoa vem a Moimenta da Beira

A historiadora Irene Flunser Pimentel, galardoada com o Prémio Pessoa 2007, que se dedica ao estudo do período contemporâneo de Portugal, vai estar em Moimenta da Beira no dia 12 de junho à noite (21h30), para falar sobre o tempo histórico de Aquilino Ribeiro. Tudo a propósito de “Quando os lobos uivam”, livro editado há exatamente 60 anos, que é obra-maior do escritor e foi objeto de um famoso processo no Estado Novo que resultou na apreensão de todos exemplares do livro. O que há nele? O Portugal da ditadura, um escritor que refletiu sobre um país fechado e se empenhou na causa pública. É para fazer o retrato do que era então Portugal e a Europa, condição-chave para compreender o seu universo literário, que foi convidada Irene Flunser Pimentel, destacada investigadora do Estado Novo e dos seus processos censórios.

A conferência, que tem o apoio empenhado da Câmara Municipal de Moimenta da Beira, e é aberta a toda a comunidade que se inscrever, terá lugar no Auditório Municipal Padre Bento da Guia, e está inserida na iniciativa "SOMOS DOURO", promovida pela CCDR-Norte, a Comunidade Intermunicipal do Douro e a Liga dos Amigos do Douro Património Mundial no âmbito da classificação do Alto Douro Vinhateiro Património Mundial. Comissariada por Anabela Mota Ribeiro, jornalista natural da região, esta ação foi desenhada para envolver a população do território num festival que inclui um fórum, conversas, roteiros, oficinas e espetáculos nos 19 concelhos do Douro.

Recordar que, no mesmo dia, mas à tarde, a partir das 15 horas, Aquilino Machado, neto do escritor, fará uma visita guiada à Fundação Aquilino Ribeiro, em Soutosa, Moimenta da Beira.
Fonte: CMMB

terça-feira, 22 de maio de 2018

«Crime» - Burlona à solta não paga a vítima

Sacou 50 mil euros a mulher deficiente e foi condenada pelo Tribunal de Viseu. Está em liberdade
Uma mulher de 48 anos foi condenada pelo Tribunal de Viseu a quatro anos de prisão por ter burlado em cerca de 50 mil euros uma mulher deficiente de quem se fez amiga. 
A pena foi, no entanto, suspensa com a obrigatoriedade da condenada pagar à vítima 2500 euros em cada ano, só que a sentença já transitou em julgado há mais de um ano e a vítima ainda não recebeu um cêntimo e a arguida não está presa. 

O crime ocorreu em Moimenta da beira entre 2010 e 2011. Arminda Carvalha, de 60 anos, pensava que "tinha arranjado uma amiga para a vida" mas afinal não passou "de uma oportunista" que lhe ficou "com as poupanças de uma vida". 

"Eu confiei nela e tramei-me. Ficou-me com o dinheiro da venda do apartamento que me deixaram os meus pais e agora vivo na miséria", desabafa emocionada Arminda Carvalha, com problemas motores nos olhos e nos membros superiores. 
A mulher, que sobrevive apenas com uma pensão de 267 euros, vive numa casa alugada e espera que a ‘amiga’ lhe pague. 
"Estou desesperada porque ainda não recebi um cêntimo da indemnização determinada pelo tribunal - 52 mil euros já com juros - e ela continua a viver como se nada tivesse acontecido, não é justo", diz a vítima. 


O advogado de Arminda Carvalha já entrou com uma ação executiva no sentido de garantir o pagamento da indemnização estipulada pelo tribunal mas a condenada não tem bens em seu nome. "Não sei se algum dia se fará justiça", lamenta-se Arminda Carvalha.

Fonte: Correio da Manhã


«Notícia» - Moimenta da Beira no Top 20 de maior risco de incêndios rurais

Existem grandes hipóteses de que 1,9% do território nacional seja devastado pelos fogos
No ano a seguir ao mais trágico ano de incêndios em Portugal, a Estrutura de Missão para os Fogos Rurais pediu ajuda à equipa do Centro de Estudos Florestais (CEF) do Instituto Superior de Agronomia (ISA) para tentar perceber onde estariam, em 2018, os riscos maiores de incêndio.
Conta o Observador que foi assim que surgiu um mapa de risco, que indica a hipótese de arderem mais 250 hectares por cada 400 hectares em que exista contexto propício à existência de incêndios. Surge então a lista dos 20 concelhos que têm o maior risco de incêndios.
E são os seguintes, por ordem decrescente de risco: Monchique (Faro), Oleiros (Castelo Branco), Caminha (Viana de Castelo), Vila Nova de Cerveira (Viana do Castelo), Vila Nova de Paiva (Viseu), Aljezur (Faro), Vila de Rei (Castelo Branco), Covilhã (Castelo Branco), Proença-a-Nova (Castelo Branco), Moimenta da Beira (Viseu), Viana do Castelo (Viana do Castelo), Vila Pouca de Aguiar (Vila Real), Baião (Porto), Celorico da Beira (Guarda), Gavião (Portalegre), Sardoal (Santarém), Sertã (Castelo Branco), Chamusca (Santarém), Portimão (Faro) e Ponte da Barca (Viana do Castelo).
Por sua vez, pegando no mesmo trabalho feito pelo CEF do ISA, que teve ainda ajuda do Centro de Estatísticas e Aplicações da Universidade de Lisboa, explica o Publico que 1,9% do território levanta grandes preocupações relativamente aos incêndios, o que perfaz 175 mil hectáres.
O ano passado arderam 540 mil hectares, mas explica o mesmo jornal que, con condições extremas e semelhantes às de 2017, podem arder até 300 mil hectares.
Fonte: DN.pt

«Divulgação» - Neto de Aquilino Ribeiro leva-nos a uma visita guiada à Casa Museu de Aquilino, em Soutosa

É uma oportunidade de ouro. Aquilino Machado, neto de Aquilino Ribeiro, leva-nos dia 12 de junho, a partir das 15h00, a uma visita guiada à Casa Museu de Aquilino, em Soutosa, Moimenta da Beira, a partir do mapa de uma geografia emocional e literária. Os objetos, os percursos, as rotinas, a biblioteca, a memória de encontros com as grandes figuras da primeira metade do século XX, cuja presença nos livros alimentam esta visita e um discurso que tem um eco emocional no próprio Aquilino Machado: Soutosa era o local de férias da sua família, além de ser a terra de adoção do seu famoso avô. Geógrafo de formação, Aquilino Machado é um dos grandes cuidadores da obra do autor de “O Malhadinhas”.
A visita, que tem o apoio da Câmara Municipal de Moimenta da Beira, insere-se na iniciativa "SOMOS DOURO", promovida pela CCDR-Norte, a Comunidade Intermunicipal do Douro e a Liga dos Amigos do Douro Património Mundial no âmbito da classificação do Alto Douro Vinhateiro Património Mundial. Comissariada por Anabela Mota Ribeiro, jornalista natural da região, esta ação foi desenhada para envolver a população do território num festival que inclui um fórum, conversas, roteiros, oficinas e espetáculos nos 19 concelhos do Douro. É cofinanciada pelo NORTE 2020, no âmbito do Portugal 2020 e através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.
Aqui se deixa a sinopse da visita à Casa-Museu Aquilino Ribeiro escrita pelo próprio neto. "A paisagem que viu nascer Aquilino Ribeiro e que serve de base à criação simbólica da sua obra literária mistura-se com a parte da meseta castelhana impondo uma sinfonia áspera por força “das suas tempestades de penedos suspensos de morros e encostas”. É neste amparo sentimental que se encontra a aldeia de Soutosa e a pequena propriedade onde o meu avô Aquilino passava os longos dias de Verão, tão matizados pela tonalidade azul, “este azul dos céus profundos que parece ir lavar-se ao mar e como uma gaze envolve tão diafanamente o velho Portugal”.
Neste itinerário que projetamos para a Fundação Aquilino Ribeiro faremos uso das memórias que nela se entalham, quase como se pegássemos em fotografias soltas de um velho álbum familiar, para através delas falarmos do cortejo de recursos duradouros que embalam a sua cartografia literária e emocional.
E nela traremos também a repetição de fotogramas familiares revelados nas férias grandes quando rumava com os meus pais e irmãs para a canícula destas Terras do Demo, ou seja, para o “sol comburente de Agosto”.
Intensas geografias sentimentais que se misturam e se encontram assombrosamente caldeadas na obra de Aquilino, “numa turbulenta paixão de contar”, como sumariou José Cardoso Pires. Paisagens que renascem a cada leitura que realizamos".
Fonte: CMMB

segunda-feira, 21 de maio de 2018

«Notícia» - Vespa das Galhas do Castanheiro: ALERTA!

A vespa das galhas do castanheiro provoca prejuízos graves na produção de castanha. Por isso, se plantou castanheiros durante o último inverno 2017/2018, consulte o folheto e saiba o que fazer. É muito importante a sua ajuda! A bem de todos!

imagem

«Divulgação» - Exposição de fotografias sobre o Céu e o Mar no Salão Nobre dos Bombeiros Voluntários

Vinte e sete do céu e outras tantas do mar. Ao todo, são 54 fotografias expostas ao público até dia 30 de junho no Salão Nobre dos Bombeiros Voluntários, em Moimenta da Beira. A mostra, inaugurada a 13 de maio no âmbito da 6ª Concentração de Telescópios, é da autoria de Pedro Ré, professor no Departamento de Biologia Animal da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.
O autor explica que “fotografar o céu é uma ambição natural de muitas pessoas, entre as quais se contam entusiastas de fotografia e de astronomia, amantes da natureza e astrónomos amadores. O equipamento necessário é, por vezes, surpreendentemente simples (uma câmara fotográfica, um tripé e um disparador de cabo são suficientes para obter as primeiras fotografias astronómicas). Acoplar uma câmara digital a um telescópio constitui geralmente o passo seguinte. E deste modo é possível obter imagens de objetos do sistema solar sem grande dificuldade. A fotografia de alta resolução e a fotografia de objetos do céu profundo constituem dois domínios relativamente especializados e mais exigentes da fotografia astronómica”.
Sobre a fotografia subaquática, esclarece o autor que “é um domínio especializado da fotografia que está atualmente ao alcance da maioria dos mergulhadores. É possível realizar fotografias subaquáticas recorrendo a equipamento muito simples. As câmaras de ação (GoPro) podem ser um bom ponto de partida. Câmaras compactas digitais munidas de uma caixa estanque podem igualmente ser utilizadas com bons resultados. As câmaras digitais reflex (DSLR) protegidas por uma caixa estanque são a melhor opção. A maioria das fotografias subaquáticas são realizadas recorrendo ao uso de um ou mais flashes. O seu uso torna-se essencial no domínio da macrofotografia”.
Fonte: CMMB

sexta-feira, 18 de maio de 2018

«Notícia» - "PORTUGAL É UM PAÍS DE ASSIMETRIAS INCOMPREENSÍVEIS" - JORGE COELHO

O ex-ministro socialista Jorge Coelho disse em Moimenta da Beira que Portugal é um país “assimétrico, desequilibrado e de regiões sem as mesmas oportunidades de progresso”. Esta declaração foi feita nas Jornadas da Cidadania do concelho, que arrancaram na última quinta-feira (17 de maio) com o painel “Economia e território: mais e melhor emprego”.
Durante a sessão, o também membro do Movimento pelo Interior (que esta sexta-feira entrega um cadermo reivondicativo ao Presidente da República) acrescentou que era incompreensível haver “tanta assimetria” num país onde “a distância entre o litoral e o interior é tão curta que não se percebe este estado de coisas”. O empresário de Mangualde apresentou ainda um conjunto de dados comparativos entre as duas regiões, começando por provar que o litoral tem 104 habitantes por metro quadrado e no interior apenas são registadas 0,28 pessoas.
Jorge Coelho também constatou que 82 por cento da população com menos de 25 anos vive no litoral, enquanto que 18 por cento da mesma população reside no interior. “86 por cento das empresas estão no litoral e apenas 14 por cento no interior, 89 por cento das dormidas turísticas e dos alunos do ensino superior estão no litoral e o interior perdeu um milhão de pessoas desde 1970, enquanto o litoral ganhou 2,7 milhões”, enumerou.
Face a estes números, o antigo governante defendeu que são necessárias “medidas radicais”, incluindo uma estratégia que equilibre o território português, mas que não coloque região contra região. “A causa tem de ser nacional”, enfatizou, embora tenha sublinhado que os problemas regionais “devem ser resolvidos de forma específica”.
Já o presidente da Câmara de Moimenta da Beira, José Eduardo Ferreira, concordou com as afirmações de Jorge Coelho e disse que as “políticas centralistas” têm penalizado o país, aproveitando a sua intervenção para revindicar mais medidas para o interior e a legitimação pelo voto popular dos dirigentes das comunidades intermunicipais. 
No painel inicial das Jornadas de Cidadania também participaram António Leite, delegado regional do Norte do Instituto do Emprego e Formação Profissional; Silva Fernandes, presidente da Associação dos Amigos de Pereiros e Joaquim Borges Gouveia, presidente da Associação Portuguesa de Management. O evento termina esta sexta-feira (18 de maio) no Auditório Municipal.
Fonte: Jornal do Centro

quarta-feira, 16 de maio de 2018

«Divulgação» - Uma hilariante comédia de teatro no Auditório Municipal, sábado à noite

“O outro André”. É o nome da peça de teatro que sobe ao palco do Auditório Municipal Padre Bento da Guia, em Moimenta da Beira, no próximo sábado, 19 de maio, às 21h30. A entrada é livre. A organização é da Junta de Freguesia de Moimenta da Beira, com o apoio da Câmara Municipal.
Trata-se de uma hilariante comédia do TEATRAÇO – Teatro Amador de Tabuaço, com direção e encenação de Beto Coville, cujo enredo se conta em duas penadas. É assim: “O Dr. Alberto e Costa, distinto e hábil advogado, só queria um colarinho decente e seguir viagem para Coimbra onde tem outra defesa, daquelas que lhe há-de dar água pela barba. Mas, em menos de nada, já está envolvido na confusão de uma mulher que matou o marido, a mesma do robe e das sandálias do quarto às escuras, pelos vistos quer comprar um palacete. A escritura é lavrada em seu nome mas quem paga tudo é o André...”.
A não perder!