segunda-feira, 26 de junho de 2017

«Crime» - Detida mulher suspeita de atear fogo em Moimenta da Beira

A Polícia Judiciária anunciou hoje a detenção de uma mulher suspeita de ter ateado um incêndio florestal, em Moimenta da Beira, distrito de Viseu, a 23 de Junho.

A detida, de 51 anos, sem ocupação laboral, ficou em prisão preventiva (medida de coação mais gravosa), referiu esta força policial, em comunicado.

O fogo ocorreu a 23 de Junho, cerca das 14:30, e colocou em perigo uma mancha florestal e habitações que "apenas não foram consumidas devido à rápida intervenção dos meios de combate, designadamente dos populares e dos bombeiros", acrescentou.


Na identificação e detenção da mulher, a PJ contou com a colaboração da GNR de Moimenta da Beira.
Fonte: DN.pt

segunda-feira, 19 de junho de 2017

domingo, 18 de junho de 2017

«Divulgação» - Moimenta da Beira cria “Sistema Solar à escala do concelho”, projeto único em Portugal e na Europa

É um projeto único em Portugal e na Europa (e provavelmente no mundo) porque alia a Ciência à Arte e tem ainda uma peculiar vertente de inclusão social. O “Sistema Solar à escala do concelho de Moimenta da Beira”, produção que resulta de uma parceria entre o Município e o Clube das Ciências do Agrupamento de Escolas de Moimenta da Beira, vai ser inaugurado na próxima quarta-feira, 21 de junho, assinalando o Solstício de Verão, um fenómeno da Astronomia que marca o início da estação mais quente do ano.

A cerimónia está marcada para as 14h30 e inclui um percurso (a pé e de autocarro) a partir do elemento físico que representa o Sol, o astro-rei, colocado junto aos Paços do Concelho, até Neptuno, o último planeta do Sistema Solar, colocado na praia fluvial de Segões. Os restantes estão fixados no núcleo urbano da vila de Moimenta da Beira (Mercúrio, Vénus, Terra e Marte) e nas localidades de Semitela (Júpiter), Baldos (Saturno)) e Alvite (Úrano).

O trajeto inaugural, aberto ao público interessado, envolverá a participação de dezenas de crianças do 3º e 4º anos, porque já têm no currículo conteúdos da Astronomia, e porque o projeto, divulgador da ciência, da tecnologia e da arte, “é um instrumento pedagógico ímpar que passa a estar ao serviço da comunidade, qualquer que ela seja: escolar, científica ou outra, portuguesa ou estrangeira ”, explica José Eduardo Ferreira, presidente da Câmara Municipal de Moimenta da Beira.

A construção do modelo físico da representação do Sistema Solar à escala do concelho, implantado em espaço público (e de forma permanente), não passou pela conceção dos astros em formatos esféricos, mas pela elaboração de formatos em discos (metálicos), que representam o Sol (com 1,39 metros de diâmetro) e têm assinalados, cada um deles, os oito planetas principais do nosso Sistema Solar nas dimensões e distâncias proporcionais cientificamente calculadas. Júpiter, o maior planeta do Sistema Solar, reduzido à escala, ficou com um tamanho ainda mais reduzido que o de uma bola de futsal. E Mercúrio, o mais pequeno, com o tamanho de uma ervilha anã. “Assim, é-nos possível compreender as dimensões e as distâncias entre os diferentes astros que constituem o Sistema Solar”, justifica Paulo Sanches, professor, coordenador do Clube das Ciências do Agrupamento de Escolas de Moimenta da Beira, e responsável pela conceção do projeto.

A singularidade deste Sistema Solar, que o torna verdadeiramente único em Portugal e na Europa (e provavelmente no mundo), é a sua vertente artística e também de inclusão social. Artística porque oito dos nove discos metálicos foram intervencionados por pintores, arquitetos, escultores, ilustradores e designers, todos com formação pelas Faculdades de Belas Artes do Porto e Lisboa. E de inclusão social porque um dos discos tem a mão criativa de vários utentes da Artenave, uma instituição de solidariedade sediada em Moimenta da Beira que tem como grande objetivo contribuir para a promoção social da população da região nordeste do distrito de Viseu, através de atividades organizadas para crianças, jovens e adultos, independentemente da origem e das características físicas, intelectuais e mentais de cada um. “Quisemos dar um toque especial de talento e génio”, explica Sara Fernandes, designer e responsável pela conceção artística do projeto.

O Sol foi intervencionado por Nuno Bastos (arquiteto); Mercúrio por David Silva (arquiteto) e Cristina Aguiar (designer); Vénus por Sara Fernandes (designer); Terra por utentes da Artenave; Marte por Francisco Cardia (pintor); Júpiter por Joana Alvim (designer); Saturno por Raquel Pequito (escultora); Úrano por Daniel Correia (pintor/ilustrador); e Neptuno por Mariana Silva (arquiteta).

Estremoz, concelho do distrito de Évora, criou em 2007 o primeiro (que era único até agora em Portugal) Sistema Solar à escala. Na Europa, a Suécia foi o primeiro país a ter um modelo do género, construído entre 1986 e 1989. Porém, nenhum deles tem a marca artística e de inclusão social. No mundo não há notícia de haver outro com as valias do que agora é inaugurado em Moimenta da Beira, município que reforça e consolida assim a sua posição no panorama científico nacional, porque no seu espaço concelhio já é organizado, há alguns anos, a maior concentração de telescópios do país.
Fonte: CMMB

quarta-feira, 14 de junho de 2017

«Divulgação» - Cartaz Festas São João 2017


(clique na imagem para ampliar)

«Notícia» - Moimenta da Beira quer potenciar o rio Paiva

A candidatura da primeira fase do projeto ‘Parque Natureza do Alto Paiva’ já foi aprovada e as obras vão começar no início do próximo mês em Moimenta da Beira. Num primeiro momento, as obras, orçadas em 130 mil euros, vão contemplar a criação de um percurso pedonal ao longo do rio Paiva, o curso de água menos poluído da Europa, e outro motorizado através das vias que ligam as aldeias do Senhor dos Aflitos e de Segões. 

A área de intervenção, cerca de 1400 hectares, pertence à Rede Natura 2000 e apresenta grande biodiversidade e valor biológico. "Trata-se de uma herança natural que devemos gerir e preservar de modo a poder transmiti-la às gerações futuras", refere José Eduardo Ferreira, presidente da Câmara de Moimenta da Beira. 

Para a segunda fase, cujo projeto está já em execução, será criada uma rede de passadiços, um centro de interpretação ambiental, duas estações de biodiversidade e um edifício para receção do turista. Tudo em ligação com o planalto da Nave, que encerra um importante conjunto de 24 monumentos megalíticos. 

O centro interpretativo será um local de desenvolvimento de projetos educativos ligados à fauna e à flora, e o estudo e divulgação dos costumes das aldeias tradicionais integrantes: Senhor dos Aflitos, Granja do Paiva, Ariz, Soutosa, São Martinho, Peva e Segões. 

Segundo a autarquia, a aposta na designação ‘Alto Paiva’ foi a eleita tendo em conta dois objetivos: "atrair turistas ao rio menos poluído da Europa, aproveitando a distinção ambiental como uma mais-valia, e desvendar a sua planáltica nascente granítica".
Fonte: Correio da Manhã

segunda-feira, 12 de junho de 2017

«Divulgação» - Laborinho Lúcio, cinco presidentes de câmaras municipais e docentes de oito escolas juntos no sábado em Moimenta da Beira

O antigo ministro da Justiça, Álvaro Laborinho Lúcio, vai estar em Moimenta da Beira no dia 17 de Junho para proferir uma palestra sobre educação, arte e cultura. No mesmo dia, os presidentes das câmaras municipais de Moimenta da Beira, José Eduardo Ferreira; Nelas, José Borges da Silva; Penedono, Carlos Esteves de Carvalho; Cinfães, Armando Mourisco; e Mortágua, José Júlio Norte, juntam-se para assinar um protocolo de colaboração institucional com a Direção-Geral de Educação. Depois, docentes de oito agrupamentos de escolas do distrito (Sernancelhe, Penedono, Cinfães, Souselo, Mortágua, Nelas, Tondela e Viseu Norte) participam numa mesa redonda de reflexão sobre a educação artística nos contextos da educação pré-escolar e do 1º ciclo do ensino básico.

A iniciativa, que junta tantos responsáveis autárquicos, professores e dirigentes de topo da estrutura do Ministério da Educação, é organizada pela Direção-Geral de Educação, através da Equipa de Educação Artística (EEA), em colaboração com a Câmara Municipal de Moimenta da Beira, no âmbito do 6º Ciclo de Conferências da EEA “O Papel da Escola na Fruição dos Universos Culturais”, cuja sessão de abertura contará com a presença do diretor-geral da Educação, José Vitor Pedroso (e os autarcas de Moimenta e Penedono e diretores de três agrupamentos de Escolas), e a de encerramento com a presença da subdiretora-geral da Educação, Eulália Alexandre.

Este 6º Ciclo de Conferências, que vai ter lugar no Auditório Municipal Padre Bento da Guia, visa sobretudo promover um debate sobre a educação e a arte, e fazer uma reflexão sobre as práticas desenvolvidas pelos docentes, no âmbito do Programa de Educação Estética e Artística (PEEA), que tem vindo a ser desenvolvido nos Agrupamentos de Escolas do distrito do Viseu, em parceria com diversas instituições culturais e autarquias. Uma das finalidades do PEEA é desenvolver ações conjuntas e mutuamente enriquecedoras entre Escola e Instituições Culturais, antecipando a cultura como uma necessidade no processo educativo.

Programa geral
09:15h | Receção aos participantes

09:30h | Sessão de Abertura
               - José Eduardo Lopes Ferreira, Presidente da CM de Moimenta da Beira
                - Carlos Esteves de Carvalho, Presidente da CM de Penedono
                - Diretores dos Agrupamentos de Escolas de Mtª da Beira, Penedono e Sernancelhe
                - José Vitor Pedroso, Diretor-Geral da Educação

10:00h | Conferência de Abertura:
                A Educação, a Arte e a Cultura – “Implica-me, não expliques só”
                - Álvaro Laborinho Lúcio, Juiz Conselheiro Jubilado do Supremo Tribunal de Justiça

10:45h | Debate

11:00h | Pausa para café

11:30h | Programa de Educação Estética e Artística (PEEA)
                - Elisa Marques, Coordenadora da Equipa de Educação Artística (EEA) / Direção-Geral da Educação (DGE)
                - Maria Martins, Responsável Regional do PEEA -Viseu, EEA/DGE

12:30h | Almoço

14:30h | Assinatura de Protocolo de colaboração institucional entre as CM de Moimenta da     Beira, Nelas, Penedono, Cinfães, Mortágua e a DGE
                - José Eduardo Lopes Ferreira, Presidente da CM de Moimenta da Beira
                - José Manuel Borges da Silva, Presidente da CM de Nelas
                - Carlos Esteves de Carvalho, Presidente da CM de Penedono
                - Armando Mourisco, Presidente da CM de Cinfães
                - José Júlio Norte, Presidente da CM de Mortágua
                - José Vitor Pedroso, Diretor-Geral da Educação

15:00h | Áreas de formação e modos de intervenção do PEEA
                - António Rocha – Música – EEA/DGE
                - Conceição Rosado - Dança – EEA/DGE
                - Pedro Vieira – Artes Visuais – EEA/DGE
                - Sofia Moura – Teatro – EEA/DGE

15:30h | Mesa redonda: Práticas de Educação Artística nos contextos da Educação Pré-Escolar               e do 1.º Ciclo do Ensino Básico
                - Docentes dos AE de Sernancelhe/Penedono, Cinfães, Souselo, Mortágua, Nelas,       Tondela Cândido Figueiredo e Viseu Norte.

                Moderador: Hélder Pais, Diretor de Serviços de Desenvolvimento Curricular, DGE

16:15h | Debate e síntese

16:45h | Momento cultural

17:30h | Sessão de encerramento
                - Eulália Alexandre, Subdiretora-Geral da Educação

terça-feira, 6 de junho de 2017

«Reportagem» - Crianças do 4.º ano foram guardas da GNR por um dia

A GNR associou-se às comemorações do Dia Mundial do Ambiente, com uma colaboração especial. Com a ajuda das crianças do 4º ano de Moimenta da Beira, os guardas estão a sensibilizar a população para a importância da Política dos três R: Reduzir, Reutilizar e Reciclar.
video

«Divulgação» - Escritor neorrealista Afonso Ribeiro homenageado em Moimenta da Beira

O escritor neorrealista Afonso Ribeiro vai ser homenageado no sábado na sua terra natal, a aldeia de Vila da Rua, no concelho de Moimenta da Beira, no âmbito de um projeto escolar.

O Agrupamento de Escolas de Moimenta da Beira, a Biblioteca Escolar e o 10.º e 11.º anos do Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde estão envolvidos no projeto, que é um tributo ao escritor que nasceu em 1911 e faleceu em 1993.
"O objetivo do projeto é chamar a atenção da comunidade local para pessoas com valor no campo da literatura e que, às vezes, são desconhecidas até na própria terra", explicou à agência Lusa o diretor do agrupamento de escolas, Alcides Sarmento.
No seu entender, Afonso Ribeiro, precursor do movimento neorrealista em Portugal, ainda é desconhecido, "apesar dos esforços da Câmara e da escola para o divulgar".
O programa de sábado, que quer divulgar o escritor sobretudo junto dos mais jovens, inclui a leitura de textos da sua obra, uma tertúlia e a apresentação de trabalhos, entre outras iniciativas.
Afonso Ribeiro publicou 14 livros, entre contos, romances e dramaturgia, de que é exemplo "Ilusão na Morte" (1938), considerado a primeira manifestação da nova corrente literária.
Alcides Sarmento explicou que será dado destaque à obra "Aldeia", que é "de fácil leitura e cujo cenário é a própria aldeia de Vila da Rua", onde há um espaço dedicado ao escritor.
"Os alunos já fizeram a leitura, pelo menos, de extratos e vão visitar alguns dos lugares descritos por ele, como a fonte de mergulho e o forno comunitário", exemplificou.
Da obra do escritor, Alcides Sarmento destacou também a trilogia "Maria", que aborda "as agruras da vida de uma serviçal doméstica", e o livro de contos "Povo", com capa de Júlio Pomar.
"O povo é mesmo a preocupação do Afonso Ribeiro. O sofrimento do povo, que era espezinhado no período do Estado Novo", acrescentou.
Convicto de que "na educação não se podem esperar transformações para amanhã, há que trabalhar no longo prazo", o responsável considerou que "o que interessa é que os alunos percebam que os escritores não são pessoas distantes, são pessoas que habitaram nos mesmos lugares que eles", e fiquem despertos para "lerem mais um bocadinho de Afonso Ribeiro".
Afonso Ribeiro é considerado autor pioneiro do movimento neorrealista, uma corrente literária do século XX marcada por ideologias políticas que descreviam a veracidade social das classes trabalhadoras.
Por exemplo, o escritor defendia que se devia olhar para o mundo rural com outros olhos.
"Mundo muito mal feito. Uns com tudo e outros sem nada. Homens trabalhando para outros homens, como servos. Será sempre assim?", questionou, na obra "Ilusão na Morte".
Fonte: RTP.pt

«Crime» - Moimenta da Beira e Sernancelhe – 4 detidos

O Comando Territorial de Viseu, através do Destacamento Territorial de Moimenta da Beira, deteve nos dias 3 e 4 de junho, cinco homens com idades compreendidas entre os 20 e 34 anos, por tráfico de estupefacientes e condução sobre o efeito do álcool, em Moimenta da Beira e Sernancelhe.

Os indivíduos foram detidos no âmbito de uma operação de fiscalização num estabelecimento noturno, tendo sido apreendido:
·         75 doses de haxixe;
·         Nove doses de MDMA.

Foram também identificados quatro pessoas por consumo de estupefacientes.

Os detidos estão, neste momento, a ser presentes ao Tribunal Judicial de Moimenta da Beira.
Fonte: GNR.pt

«Notícia» - Quanto gastam as autarquias da região de Viseu com o ambiente?

Em Dia Mundial do Ambiente, o Jornal do Centro dá-lhe a conhecer qual a percentagem do orçamento que as autarquias despendem na área do ambiente. Os dados são de 2014 e 2015, os mais recentes disponibilizados pela PORDATA, num inquérito levado a cabo pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).
Em 2015, Viseu foi a município que mais despendeu verbas do orçamento para o ambiente, 13,1 por cento. Ainda assim, um valor inferior relativamente a 2014 onde havia gasto 13,7 por cento. Já a câmara que, em 2015, menos apostou no ambiente foi Lamego, investindo apenas 3,3 por cento do orçamento. No entanto, teve um aumento em relação a 2014, onde havia gasto 3,1 por cento.
Dos 25 concelhos do distrito de Viseu, incluindo Aguiar da Beira que apesar de pertencer ao distrito da Guarda está na região Dão-Lafões, o que teve uma maior queda no investimento na área do ambiente foi Moimenta da Beira. Em 2014 despendia 10,6 por cento do seu orçamento e no ano seguinte apenas 4,9 por cento. Por outro lado, Sernancelhe foi quem mais passou a gastar com o ambiente, de 1,4 em 2014, para 5,7 por cento no ano seguinte.
Fonte: Jornal do  Centro