quarta-feira, 30 de novembro de 2011

«Região» - Douro: Época das montarias vai começar

Começa já a 3 de Dezembro a época de caça ao javali no Douro, com uma montaria por “Terras de Aquilino Ribeiro”, em Moimenta da Beira, numa associação ao III Festival de Gastronomia do Douro que está a decorrer. A Turismo do Douro junta-se a várias entidades para promover programas de turismo cinegético, para monteiros e acompanhantes, que servem de mote para descobrir, de forma sustentável, a paisagem, cultura e gastronomia da região.

O programa, organizado pela Associação de Caçadores Srª dos Aflitos e Nave e pela Junta de Freguesia da aldeia de Nacomba, começa às 8h30, com a concentração dos monteiros. Seguem-se os rituais típicos, com o “mata-bicho” ou “taco” a ser servido: com bolas regionais, enchidos e queijos, entre outras iguarias. Das 11h00 às 14h00 decorre a montaria, e o almoço é às 15h00, com espumante das Terras do Demo a abrir o apetite, sopa à lavrador ou canja de perdiz, arroz de míscaros, açorda de sanchas, e vários pratos de pratos de caça, como coelho à caçador e javali com castanhas. À sobremesa, maçã assada e leite-creme. Depois do leilão dos javalis, há animação com música popular, danças e cantares tradicionais.
De manhã, os acompanhantes podem participar no “mata-bicho”, e fazer um passeio pelo campo para apanhar e classificar cogumelos. Depois do almoço típico, são convidados a visitar o Santuário da Nossa Senhora da Lapa, e a Fundação Aquilino Ribeiro, casa onde o escritor viveu, juntando-se depois ao restante grupo para o magusto tradicional.

Em colaboração com federações distritais de caça, serviços do Ministério da Agricultura, autarquias e empresários do sector, a Turismo do Douro pretende assim combater a sazonalidade e diversificar a oferta turística duriense, com uma proposta de turismo de natureza e sustentável. Por outro lado, estas iniciativas recuperam a tradição ancestral das caçadas e montarias do Douro e Trás-os-Montes, regiões férteis em zonas de caça são muito procuradas, sobretudo durante o Inverno.

O vice-presidente da Turismo do Douro, José Agostinho Correia, explica por isso que o turismo cinegético “é um agente de sustentabilidade ambiental, um princípio pelo qual tem de passar a estratégia de desenvolvimento do Douro, porque respeita o ambiente, e gera receitas complementares ao mobilizar sectores como a hotelaria, a restauração e o enoturismo”. É, por isso mesmo, “um nicho de mercado emergente a explorar, com efeito polarizador”.

O Douro tem sabido conservar a sua autenticidade e identidade e, sinal de um desenvolvimento equilibrado, foi eleito o 16º melhor Destino para Turismo Sustentável da National Geographic, a nível mundial, em 2009. A mais antiga Região Demarcada e Regulamentada do Mundo (1756) e Património da Humanidade pela Unesco (2001) detém ainda as insígnias de Destino de Excelência, junto da Organização Mundial de Turismo (2008) e de uma das 77 Maravilhas da Natureza do Mundo (2009).
 
Segundo José Agostinho Correia, “tem sido através da combinação harmoniosa destes vectores, a par de uma intervenção activa dos empresários, operadores e actores políticos, que o Douro se tem vindo a afirmar como um destino de referência, que necessita de se fortalecer e criar autêntica sustentabilidade. E, para tal, tem de quebrar os constrangimentos da sazonalidade, através de mais trabalho coordenado e criatividade”, conclui.
As inscrições para a montaria devem ser feitas para Miguel Ângelo Mota, através do telemóvel 969458208.
Fonte: www.vaipassear.com

«Notícia» - V.N. Paiva: Dezenas de utentes manifestam-se por mais médicos

Dezenas de utentes concentraram-se hoje em frente ao centro de saúde de Vila Nova de Paiva, exigindo mais médicos e o alargamento do horário de funcionamento, para evitar esperas por uma consulta que chegam às seis semanas.

O protesto, organizado pelo núcleo de Vila Nova de Paiva da Comissão de Utentes dos Serviços Públicos de Saúde do Distrito de Viseu, visa exigir o aumento de três para quatro o número de médicos, o que permitiria passar de mais de 2.000 pessoas por médico de família para 1.500.

O presidente da Câmara de Vila Nova de Paiva, José Morgado (PS), que se juntou ao protesto, disse à Agência Lusa que o fez para “deixar claro que os cortes no orçamento são cortes em questões essenciais para a vida, já por si difícil, de muita gente, especialmente no interior do país”.

Segundo o autarca, “este centro de saúde, tal como está a funcionar, não está a corresponder às expectativas das pessoas. Não se pode aceitar que as pessoas estejam seis semanas à espera de uma consulta. E também não se pode aceitar que estas sejam obrigadas a procurar o hospital de Viseu, a 40 quilómetros, ou Moimenta da Beira, a quase 30″.

O autarca apontou ainda o acréscimo do esforço em busca de saúde com os custos das deslocações, que, devido à escassa oferta de autocarros, impõe o pagamento de táxis para muitos utentes, num concelho com uma grande percentagem da sua população – de cerca de 5.300 habitantes – muito idosa.

Com seis mil utentes inscritos, porque abrange ainda parte dos concelhos vizinhos de Moimenta da Beira, Viseu e Castro Daire, o centro de saúde de Vila Nova de Paiva está há cerca de um ano apenas com três médicos, quando, até então, foram sempre quatro ou mais.

António Macário, da comissão de utentes, disse aos jornalistas que a seguir a este protesto popular vai ser entregue um abaixo assinado com mais de 2.000 assinaturas no Agrupamento de Centros de Saúde Dão-Lafões (ACES II), em Vouzela, exigindo a colocação de mais um médico e o alargamento d horário de funcionamento das 20:00 para as 24:00.

Segundo este elemento da comissão de utentes, em setembro a diretora do ACES Dão-Lafões II, Mercedes Figueiredo, “não deixou qualquer garantia” sobre a colocação de mais um médico, informando apenas que há concurso, mas não há médicos que queiram ficar em Vila Nova de Paiva.

O diretor do centro de saúde de Vila Nova de Paiva escusou-se a falar aos jornalistas e a diretora do ACES Dão-Lafões II encontra-se ausente, de férias.
Fonte: cnoticias.net

«Desporto» - Jogo do CDR (Taça Sócios de Mérito)


«Divulgação» - Feira de Artesanato antes do Natal


É a primeira Feira de Artesanato e de Arte Popular que a autarquia organiza. Arranca a 3 de Dezembro e encerra a 17, no Salão de Exposições do Mercado Municipal de Moimenta da Beira. São 15 dias com artesãos do concelho a trabalhar ao vivo. Mais de 30 já se inscreveram. O trabalho artesanal estará sempre à venda. A feira pretende ser uma via de promoção ao artesanato local e, à porta da quadra natalícia, promete dar boas sugestões para as prendas deste Natal.
 Aos fins-de-semana a feira funcionará todo o dia. Nos dias úteis estará aberta só à tarde.

No espaço haverá ainda animação musical, realização de workshops, exposição dos trabalhos manufacturados à mão pelos artesãos (cestaria, estanho, madeira, bordados, capuchas, meias e outras artes criativas), pinturas faciais e um Pai Natal que se deixará fotografar com as crianças.

O início e encerramento da feira de artesanato coincidem com as duas próximas edições da Feirinha da Terra. Mais uma oportunidade para apreciar o que de melhor se produz nas hortas e nos campos agrícolas do concelho de Moimenta da Beira.
“É um evento que promete animar este mês de Dezembro”, garante Alexandra Marques, a vereadora do Turismo.
 (clique na imagem para ampliar)

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

«Educação» - Taxa de retenção e desistência no Ensino Básico

A taxa de retenção e desistência no ensino básico em Portugal é de 7,9%, com seis ilhas dos Açores e a península de Setúbal no topo da lista das sub-regiões, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE).

Os dados referentes ao ano letivo 2009/2010 foram divulgados como parte dos Anuários Estatísticos Regionais hoje publicados. Analisando as sete regiões do país, a Madeira e o Norte detinham, respetivamente, "o valor mais elevado e o valor mais baixo da taxa de retenção/desistência no ensino básico, quer se considere todos os ciclos do ensino básico ou apenas o ciclo terminal", destaca o INE.

Uma análise mais detalhada, ao nível das sub-regiões (NUTS III, nomenclatura das unidades territoriais estatísticas de terceiro nível que divide cada região em sub-regiões), mostra que seis ilhas dos Açores (Flores, Terceira, Santa Maria, Pico, São Miguel e Faial) lideram a lista, com taxas entre 10,8 e 12,9%.
Só depois surgem sub-regiões do continente, encabeçadas pela península de Setúbal (10,3%), Alentejo Litoral (9,8%) e Grande Lisboa (9,3%).

Do lado oposto, com as mais baixas taxas de retenção e desistência nos três ciclos do ensino básico, estão as sub-regiões de Minho-Lima (4,6%), Baixo Mondego (5,2%) e Cávado (5,3%).

Do ponto de vista municipal, há mais retenção e desistência na Calheta (Madeira), Vila Franca do Campo (Açores), Porto Moniz (Madeira), São Roque do Pico (Açores), Alter do Chão (Alentejo) e Freixo de Espada à Cinta (Norte), com taxas entre 17,8 e 15,9%.

Os municípios mais bem sucedidos são Arronches, Castelo de Vide e Almodôvar (Alentejo), e Armamar, Moimenta da Beira e Mondim de Basto (Norte), com valores entre 0,4 e 2,9%.

No entanto, na análise municipal, em situações de reduzido número de alunos, poucos casos são suficientes influenciar todo o panorama estatístico de um concelho, para o melhor ou para o pior.
Se for analisado apenas o percurso dos alunos do 3.º ciclo do ensino básico, Portugal tem uma taxa de taxa de retenção e desistência de 13,8%, sendo que todas as regiões NUTS II (unidades territoriais estatísticas de segundo nível, que correspondem às sete regiões do país) também registam uma taxa superior.

Olhando apenas para o 3.º ciclo e para as NUTS III, as ilhas das Flores, Graciosa, Santa Maria, Pico, São Miguel e a península de Setúbal têm as maiores taxas (entre 21,3 e 18,1), enquanto no extremo oposto estão as sub-regiões de Serra da Estrela (10,2), Baixo Mondego (9,2) e Minho Lima (8,2).
Ainda de acordo com os dados do INE, em Portugal, a taxa de transição/conclusão no ensino secundário situou-se, no ano letivo de 2009/2010, em 80,7%.

As regiões Norte e Centro "apresentavam maior nível de sucesso escolar no ensino secundário", enquanto as regiões autónomas e as regiões do Algarve e de Lisboa "registavam valores inferiores à média nacional neste indicador", destaca o INE.
A análise aos dados sugere que os desempenhos mais favoráveis nas regiões Norte e Centro "têm por base disparidades internas, nomeadamente, com os municípios do litoral da região Norte a apresentar valores mais elevados neste indicador".

Fonte: Destak.pt

domingo, 27 de novembro de 2011

sábado, 26 de novembro de 2011

«Época Natalícia» - Montras iluminadas no Natal

À semelhança do ano passado, a autarquia de Moimenta da Beira lança o desafio a todos os comerciantes da vila para que decorem as montras dos seus estabelecimentos com motivos natalícios. A ornamentação fica ao gosto de cada um mas a iluminação é de carácter obrigatório. Todos os participantes terão direito a um diploma e a um cabaz de Reis.

As inscrições são gratuitas e estão abertas até dia 9 de Dezembro. Podem ser feitas presencialmente no Posto de Turismo ou enviando o boletim de inscrição para os seguintes contactos: Gabinete de Turismo – Câmara Municipal de Moimenta da Beira, 3620-324 Moimenta da Beira; fax: 254520071; e-mail: posto-turismo@cm-moimenta.pt.

A iniciativa “Montras Iluminadas- Natal 2011” é dirigida a estabelecimentos comerciais ou de serviços, singulares ou colectivos instalados na vila e que possuam montras visíveis da via pública.

As vitrinas participantes deverão estar ornamentadas entre 15 de Dezembro e 7 de Janeiro e convenientemente iluminadas até às 22 horas.

Cada escaparate terá um dístico, fornecido pela autarquia, com a indicação que é um estabelecimento aderente. 

Fonte: CM Moimenta da Beira

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

«Curiosidades» - Histórias do derby Benfica-Sporting contadas por um Moimentense

O Blogue MoimentaNaNet tem o orgulho de divulgar uma reportagem onde intervém o nosso conterrâneo António Pedro (Tope), Jornalista de A BOLA TV:

Foi há 75 anos que nasceu o grande derby da cidade de Lisboa. Poucos sabem que foi em 1935 que se realizou o primeiro jogo oficial entre Benfica e Sporting. A Bola TV entrou na máquina do tempo e foi recordar alguns desses confrontos.

video

A BOLA TV  (Página do vídeo: AQUI)
Histórias e curiosidades de um Benfica-Sporting
Jornalistas-Tope Pedro e Carla De Sousa Coelho
Imagem - João Barata e Mara Nunes

«Desporto» - Jogos do CDR e EPA para este Fim-de-Semana








«Notícia» - Viseu: escolas, finanças e balcões da CGD encerrados

A União dos Sindicatos de Viseu (CGTP-IN) mostrou-se satisfeita com a adesão à greve no distrito, que levou ao encerramento de várias escolas e repartições de finanças.

«A adesão está a corresponder à expectativa, nalguns casos até a superá-la, nomeadamente nos sectores da Educação e das Finanças», disse à agência Lusa Manuel Rodrigues, da União dos Sindicatos de Viseu (USV).

O sindicalista destacou também «a participação dos enfermeiros, com uma adesão de cerca de 90 por cento», e de diversas empresas privadas, como a Gavis (Audi¿Volkswagem), «que em 18 funcionários tem 16 em greve, tendo encerrado as oficinas».

Na Transdev, «que assegura muitos transportes escolares, em 50 motoristas, 45 fizeram greve», acrescentou.

«Apesar da dificuldade de realizar greves neste distrito, estamos satisfeitos com a adesão», acrescentou.

Segundo os dados já recolhidos pela USV, estão fechadas escolas em Nelas (EB2/3 e secundária), Mortágua (EB 2/3, secundária e centro escolar), Carregal do Sal (EB 2/3, secundária e 1º ciclo de Beijós), Sernancelhe (EB 2/3), Vouzela (EB1), Viseu (EB2/3 de Silgueiros, EB1 de Marzovelos, 1º ciclo de Abraveses), Cinfães (1º ciclo de Meridãos), Tabuaço (1º ciclo de Barcos) e Castro Daire (1º ciclo de Carvalhas).

Devido à greve encerraram também jardins de infância em Viseu (Torredeita, Vil de Soito), Sátão (Abrunhosa e Contige), Tabuaço (Adorigo), Castro Daire (Carvalhas, Mamouros, Moledo e Codeçais) e Cinfães (Meridãos).

Quanto aos serviços de finanças, estão fechados os dos concelhos de Penalva do Castelo e de Mortágua, avançou.

De acordo com a USV, os serviços de saúde mais afetados foram a Urgência Básica de Moimenta da Beira, o Serviço de Atendimento Permanente (SAP) de Mangualde e o Hospital de Lamego, onde os enfermeiros aderiram a 100 por cento.

No hospital de Viseu foi registada uma adesão de 70 por cento e no de Tondela de 90 por cento, acrescentou.

O presidente da UGT Viseu, Manuel Teodósio, disse ao final da manhã à Lusa que ainda estava a ser feito o levantamento, mas que teve conhecimento de várias escolas e serviços de autarquias encerrados.

Manuel Teodósio aludiu também à grande adesão dos funcionários da Caixa Geral de Depósitos, «que levou ao encerramento de 14 balcões do distrito, dois dos quais na cidade de Viseu».
Fonte: TVI24.pt

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

«Arqueologia» - Mosteiro de São Pedro das Águias: um dos mais belos monumentos da arquitectura românica portuguesa



Numa pequena plataforma, ao fundo do vale do Távora[1], situa-se um dos mais belos monumentos da arquitectura românica[2] portuguesa: o mosteiro de São Pedro das Águias, um pequeno templo beneditino que adoptou a regra cisterciense.  
A sua implantação, extraordinariamente insólita por se encontrar edificado num local desnivelado de frente para a penedia granítica, ao ponto de entre a porta principal e o fraguedo restar uma estreita entrada, delimitada por um arco ricamente decorado[3], é apontada aos meados do século XII, embora, de acordo com uma lenda fantasiosa contada por Frei Bernardo de Brito, crê-se que terá sido fundado no início do século XI pelos irmãos[4], Rausendo e Tedão[5], cavaleiros que aqui lutaram contra os Mouros, perpetuando, por conseguinte, este lugar numa das mais bonitas histórias de mouras: a lenda da princesa Ardinga[6] (ou Ardínia).
 Com a extinção das ordens religiosas na primeira metade do século XIX, ficou ao abandono e à consequente ruína, sendo, entretanto, restaurado pela Direcção Geral dos Edifícios e Monumentos Nacionais em meados do século XX e merecidamente classificado como Imóvel de Interesse Público em 1953 e Zona Especial de Protecção em 1954.
Coberto por telhados de duas águas (rematados nos topos por cruzes) sobre uma cornija ornada de modilhões e cachorros, alguns deles de inspiração profana e satírica, este templo, também conhecido como São Pedro o Velho, apresenta a planta mais simples do românico nortenho: nave única e capela-mor de configuração rectangular (revelando uma acentuada desproporção entre a altura da nave e as modestas dimensões da capela-mor), cujos portais, principal e lateral (norte), em arcos de volta inteira, se distinguem pela profusa ornamentação simbólica[7].
Laboriosamente em granito (material privilegiado da construção do mosteiro), a porta axial apresenta duas arquivoltas boleadas, envolvidas por friso, assentes, de cada lado, sobre esculturas zoomórficas, possivelmente representando leões. O tímpano é decorado com laçaria e uma cruz dita «visigótica». Manifestamente estreito, o portal norte alardeia no tímpano em baixo-relevo a representação do Agnus Dei, o Cordeiro de Deus[8]. Num esquema idêntico ao do portal principal, a arquivolta interna, apoiada em possantes animais, exibe três cabeças de cão ou lobo abocanhando um toro com motivos em espinha. Na aduela central da arquivolta exterior encontra-se gravada a seguinte inscrição em latim: DNS EXERCITVM: CVSTODIA/AT: HVI (VS) TEMPLI INTROIT/VM ET EXITVM significando «Que o Deus do exército guarde a entrada e a saída deste templo». A poucos metros de distância, no adro, destaque ainda para a presença de um austero sarcófago[9], de forma antropomórfica, em granito.
Iluminado por uma série de estreitas frestas (discretamente abertas nas paredes), o interior do templo deslumbra, por sua vez, com um arco triunfal, também decorado.

Indubitavelmente, uma agradável surpresa para quem o visita!



[1] Em Távora (freguesia do mesmo concelho), a pouca distância e também numa encosta sobranceira ao rio Távora, existe uma outra edificação monástica que dá pelo mesmo nome – Convento de São Pedro das Águias – com a qual os monges deste pequeno templo tiveram uma relação privilegiada.
[2] A arquitectura românica surgiu na Europa no século X e evoluiu para o estilo gótico no fim do século XII.
[3] Filiável no trabalho das oficinas de Braga-Rates.
[4] Bisnetos do rei de Leão, D. Ramiro II. Segundo a lenda, estes cavaleiros terão encontrado aqui uma mesquita onde vivia um eremita de nome Pandulfo. Expulso ou fugido o «mouro», trataram de cristianizar o templo e de nele instalar um eremita de nome Gelásio.
[5] Donde deriva o nome do rio Tedo.
[6] Degolada e lançada ao rio Távora pelo emir de Lamego, após este ter descoberto que a sua filha se apaixonara pelo cavaleiro cristão D. Tedão.
[7] Como é bem de ver neste templo, o período românico pretendeu privilegiar o símbolo e não é por acaso que a maioria dos temas figurativos se encontram nos portais, como um ponto crucial num rito de passagem de grande peso simbólico.
[8] Como em outros templos, nomeadamente na Igreja de São Salvador de Bravães (concelho de Ponte da Barca), o Cordeiro de Deus (o salvador da humanidade) encontra-se à porta do templo, do lado de fora ou do lado de dentro, protegendo a entrada.
[9] Forma de enterramento praticada a partir do século XII.

Publicado no Jornal Beirão (73.ª edição)

«Desporto» - AF Viseu

Divisão de Honra:


1ª Divisão: (CDR Folgou)
Blogue do CDR: AQUI

Fonte: ZeroZero.pt

«Evento» - Douro Sul debateu problemas da região

As II Conferências do Douro Sul, que decorreram esta sexta-feira, 18 de Novembro, em Lamego, puseram a nu os problemas da região. As diversas intervenções de autarcas e associações de desenvolvimento do Douro versaram um tom quase sempre pessimista relativamente ao futuro da região e bastante hesitante no que à reorganização administrativa do território diz respeito. Do congresso ficou também a proposta do autarca de Moimenta da Beira, José Eduardo Ferreira, para que a iniciativa adquira nas próximas edições uma dimensão internacional.

No discurso da manhã o edil de Moimenta lembrou ser essencial tirar partido do potencial da região, dando como exemplo as 120 mil toneladas de maçã produzidas, com um rendimento superior a 60 milhões de euros, ou ainda os "melhores espumantes do país".

Num auditório apinhado, e com a ordem de trabalhos pautada pela ausência da secretária de Estado do Turismo Cecília Meireles, sobressaíram os problemas da região (entre eles o desemprego, perda de população, falta de iniciativa, inexistência do sector secundário, pouco poder de compra, crescente desvalorização do valor da marca Vinho do Porto) que convergiram no alerta do presidente da Câmara Municipal de Lamego, Francisco Lopes: “O Douro está a um passo do abismo e a tendência é dar um passo em frente”.

A tarde trouxe um debate acesso sobre a reforma administrativa e a reorganização do território, com o autarca de Lisboa, António Costa, a marcar presença. Foram muitas as questões endereçadas ao secretário de Estado da Administração Local e da Reforma Administrativa, Paulo Simões Júlio, sobre um tema que ainda suscita muitas dúvidas nos presidentes de junta.

As conferências do Douro Sul realizam-se anualmente e são promovidas pela Associação de Municípios do Vale do Douro Sul, da qual faz parte a autarquia de Moimenta da Beira, pretendendo constituir um espaço de reflexão a nível regional sobre os desafios que o mundo rural enfrenta. 

Fonte: CM Moimenta da Beira

sábado, 19 de novembro de 2011

«Gastronomia» - Festival de Gastronomia do Douro (Vídeo)

Quinta do Melião - Moimenta da Beira

«Religião» - D. António Couto é o novo bispo de Lamego

Era desde 2007 bispo auxiliar de Braga

D. António Couto, de 59 anos, foi nomeado novo bispo da diocese de Lamego, substituindo D. Jacinto Botelho, que resignou no ano passado, anunciou este sábado a Agência Ecclesia.

De acordo com a Lusa, António Couto é natural de Vila Boa do Bispo, concelho de Marco de Canaveses, e era, desde 2007, bispo auxiliar de Braga.

Em 1963 entrou no Seminário de Tomar, da Sociedade Portuguesa das Missões Ultramarinas (hoje Sociedade Missionária da Boa Nova), tendo recebido a ordenação sacerdotal em 1980.

Depois de ter estado no Seminário de Tomar e sido professor na Escola de Santa Maria do Olival (na mesma cidade), em 1982 fez o curso de Capelães Militares e foi nomeado capelão militar do Batalhão de Serviço de Material do Entroncamento, e, pouco depois, também da Escola Prática de Engenharia, de Tancos.

Depois disso, transferiu-se para Roma, para a Pontifícia Universidade Urbaniana e, em 1986, conseguiu a licenciatura canónica em Teologia Bíblica. Passados três anos obteve o doutoramento, depois de ter estado cerca de um ano em Jerusalém, no Studium Biblicum Franciscanum.

Após uma passagem, no ano lectivo de 1989-1990, pelo Seminário Maior de Luanda, onde foi professor, regressou a Portugal, tendo sido colocado no Seminário da Boa Nova, de Valadares, com o encargo da formação dos estudantes de teologia.

Desde 1990 que o novo bispo de Lamego é professor da Faculdade de Teologia da Universidade Católica Portuguesa, no Porto.

Entre 1996 e 2002, foi reitor do Seminário da Boa Nova e, entre 1999 e 2002, também vigário geral da Sociedade Missionária da Boa Nova. Em 2002, foi eleito Superior Geral da mesma sociedade, um cargo que ocupou até à sua ordenação episcopal, em 23 de Setembro de 2007.

Integra a Sociedade Missionária da Boa Nova sacerdotes diocesanos e leigos que se consagram à evangelização, nomeadamente em Moçambique, Angola, Brasil, Zâmbia e Japão.

Em 2004, o papa João Paulo II tinha nomeado António Couto membro da Congregação para a Evangelização dos Povos.

O novo bispo de Lamego é colaborador do Programa ECCLESIA, da RTP 2, tendo colaborado regularmente desde 2003, na sua qualidade de biblista.

É também autor de várias obras, a primeira das quais o livro de poemas «Até um dia» (1987), e de artigos em enciclopédias, colectâneas e revistas.

A sua presença é também habitual na Internet, no site www.boanova.pt, onde apresenta reflexões pessoais e estudos sobre a Bíblia.

O anterior bispo, D. Jacinto Botelho, que completou 75 anos em Setembro do ano passado, tinha sido nomeado para a diocese de Lamego em 2000.

Fonte: TVI24.pt

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

«Região» - Região do Douro está à beira do precipício económico

A região do Douro "está à beira do precipício" económico, alertou hoje o presidente da Câmara de Lamego no arranque das II Conferências do Douro Sul, que decorrem nesta cidade.

O autarca de Lamego, Francisco Lopes, do PSD, disse que a forma como o Douro "mostra falta de capacidade reivindicativa junto da administração central" pode levar à "tentação de dar um passo em frente para o precipício". Alguns dos exemplos apontados pelo presidente da autarquia de Lamego são a acelerada desertificação humana, a queda contínua do rendimento no Douro, incluindo nas suas grandes imagens, como o Vinho do Porto e a agricultura, tendo sublinhado que o mais importante é a "incapacidade de retenção na região das mais valias económicas nela geradas", como a hidro-elétrica e o turismo.

O autarca deu como exemplo os últimos dados sobre o índice de poder de compra nacional, onde cinco dos 10 concelhos do Douro Sul integram os 10 municípios do fundo da tabela, tendo mesmo Sernancelhe como o último. Numa manhã de trabalho que não contou com a secretária de Estado do Turismo, Cecília Meireles, como estava no programa, as diversas intervenções de autarcas e das associações de desenvolvimento do Douro desaguaram nos problemas que a região atravessa. Ricardo Magalhães, chefe da estrutura de Missão do Douro, aproveitou a soma de discursos de tom pessimista para deixar alguns recados, como sejam a ideia de que "o Douro só se pode desenvolver com pessoas da região" e ainda que "as políticas assistencialistas não servem" e desafiou os autarcas a conquistarem um peso político específico no país.

Uma outra ideia transversal a todas as intervenções foi a de que as autarquias, nesta região do país, são, na maior parte dos casos, a maior empresa do concelho, como foi o caso do presidente da Câmara de Moimenta da Beira. José Eduardo Ferreira lembrou ser essencial tirar partido do potencial da região como é disso exemplo as 120 mil toneladas de maçã que aqui são produzidas, com um rendimento superior a 60 milhões de euros, ou ainda os "melhores espumantes do país".

Apontando os alertas deixados pelo presidente da autarquia de Lamego, sobre os riscos de o Douro estar à beira do precipício, José Eduardo Ferreira deixou o desafio para que "nas conferências do próximo ano, a situação não seja tão pessimista", deixando ainda aberta a porta para o alargamento destas a uma dimensão internacional. Por seu lado, Manuel Carvalho, jornalista do Público, assumiu o tom mais pessimista de todas as intervenções, apontando as dificuldades que o Vinho do Porto, com uma crescente desvalorização do valor da marca e no rendimento dos produtores ou os problemas por que passam as cooperativas e a Casa do Douro.

Fonte:  Diário de Notícias

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

terça-feira, 15 de novembro de 2011

«Divulgação» - Bombeiros de Moimenta da Beira em campanha ambiental

Voltamos a anunciar:

Os Bombeiros Voluntários de Moimenta da Beira associaram-se à mais recente campanha de sensibilização ambiental lançada pela Associação Portuguesa de Gestão de Resíduos (AMb3E), que está a mobilizar corporações de bombeiros por todo o país.

“Quartel Electrão” é o nome da campanha que tem como objectivo sensibilizar a comunidade para a reciclagem dos resíduos de equipamentos eléctricos e electrónicos (REEE) e resíduos de pilhas e acumuladores (RPA).

A acção pretende incentivar as corporações aderentes e comunidades locais a reunir a maior quantidade possível de REEE e RPA durante os meses de Outubro, Novembro e Dezembro. Assim, o quartel dos Bombeiros de Moimenta da Beira será um dos pontos de recolha dos resíduos.

O fim é ambiental mas tem também um cariz social. É que, em função do peso dos resíduos acumulados, serão atribuídos prémios às corporações de bombeiros.

As distinções incluem uma ambulância de transporte de doentes e uma lavandaria profissional para o primeiro e segundo classificados, respectivamente; bem como 10 cartões pré-pagos de combustível da Repsol no valor de 1500 euros. Todas as colectividades aderentes receberão ainda o valor de 50 euros por cada tonelada de REEE e RPA recolhidos.

Os vencedores da campanha “Quartel Electrão” são conhecidos a 31 de Janeiro do próximo ano. 

 Fonte: CM Moimenta da Beira

Jornal Terras do Demo - «1ª Página» - 304ª Edição

(clique na imagem para ampliar)

«Cultura» - Manuel da Fonseca em exposição


Manuel da Fonseca, escritor neo-realista do século XX, é a personagem de vulto da literatura portuguesa evocada na exposição que está patente ao público no átrio dos Paços do Concelho até meados do próximo mês de Dezembro.

Depois de Afonso Ribeiro e Alves Redol, também já homenageados, esta mostra traz-nos a vida e obra do poeta, contista, cronista e romancista português Manuel da Fonseca com o intuito de assinalar o centenário do seu nascimento.

A exposição é propriedade da Associação Promotora do Museu Neo-Realismo, corrente da qual o escritor foi um dos expoentes máximos em Portugal. 

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

«Notícia» - B.V. Moimenta da Beira vencem Concurso "Tintas CIN"

O blogue MNN apelou e os Moimentenses aderiram (ver aqui).

Os Bombeiros Voluntários de Moimenta da Beira receberam os votos dos Moimentenses e estes foram suficientes para ganhar o concurso de 2011 das "Tintas CIN WOODTEC".

Muito Obrigado a todos os que votaram na corporação do nosso concelho.

 Excerto do jornal Bombeiros de Portugal:
(Clique na imagem para ampliar)

«Região» - Conferência reúne autarcas do Douro Sul

O teatro Ribeiro da Conceição, em Lamego, acolhe esta sexta-feira, 18 de Novembro, o segundo ciclo de Conferências do Douro Sul, um espaço de debate e reflexão onde vão ser discutidas questões como a reforma administrativa, as perspectivas do turismo no Douro ou o futuro das autarquias.

O programa tem início às 9h30 e vai contar com a presença dos secretários de Estado do Turismo, Cecília Meireles, e da Administração Local, Paulo Simões Júlio. Fazem ainda parte do leque de conferencistas o presidente da Câmara Municipal de Lisboa, António Costa, o sub-director do Jornal “Público”, Manuel Carvalho, e o gestor do Programa Operacional Regional do Norte (ON.2), Carlos Duarte. Também vão marcar presença os dez presidentes do Município do Vale do Douro Sul, entre eles o edil José Eduardo Ferreira.

O congresso é promovido pela Associação de Municípios do Vale do Douro Sul, do qual faz parte a autarquia de Moimenta da Beira, e pretende ser um espaço de reflexão de nível regional sobre os desafios que o mundo rural enfrenta, em particular na região do Douro.

(clique na imagem para ampliar)

Fonte: CM Moimenta da Beira

domingo, 13 de novembro de 2011

«Desporto» - AF Viseu

Divisão de Honra:


1ª Divisão:
Ver Blogue do CDR AQUI
Resumo do jogo no Blogue FutebolViseu AQUI

Fonte: ZeroZero.pt

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

«Divulgação» - Festival do Cogumelo e da Caça


A Associação de Desenvolvimento Rural “Lobos Uivam” organiza pelo quinto ano consecutivo o Festival Gastronómico do Cogumelo e da Caça das Terras do Demo, nos dias 3 e 4 de Dezembro, no lugar do Senhor dos Aflitos, freguesia de Caria, Moimenta da Beira.

Para além de animação musical e magusto tradicional, o programa inclui caçadas ao javali e recolha de cogumelos, que quase preenchem os dois dias. O evento prossegue fins pedagógicos numa tentativa de sensibilizar a população para a rentabilização dos produtos florestais da região.

No dia 3, o festival tem início às 10h00 com uma batida ao javali e termina às 18h00 com magusto. Pelo meio há almoço micológico com sabores também a receitas de caça, leilão de javalis e actuação do Grupo de Concertinas Lobos Uivam.

No dia 4 de manhã, saída de campo para recolha e classificação de cogumelos e novo almoço, às 12h30.
A par de mais um magusto tradicional actuam ainda neste dia o Grupo Folclórico e Etnográfico da Associação Lobos Uivam, o Grupo de Cantares Raízes da Nossa Terra Palhaça -Aveiro e o Grupo de Concertinas Lobos Uivam.

O festival tem o apoio da Associação de Caça do Senhor dos Aflitos e da Nave, da Junta de Freguesia da Aldeia de Nacomba, da Junta de Freguesia de Caria, da Zona Verde, empresa de formação e consultoria, e ainda da Câmara Municipal de Moimenta da Beira.

Os almoços têm o preço de 10 euros e as inscrições devem ser efectuadas para os seguintes contactos telefónicos: 254581357, 967234518 e 963107406, ou para o endereço electrónico lobosuivam@sapo.pt. Já as inscrições para a montaria devem ser feitas para o número 969458208.

 (clique na imagem para ampliar)

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

«Cultura» - Lua inspira artista plástica


A exposição “Felizmente há Luar”, de Rita Saraiva, vai estar na Biblioteca Municipal Aquilino Ribeiro, em Moimenta da Beira, a partir de 14 de Novembro e até dia 2 de Dezembro. São 17 as telas que têm por tema central a lua.

“Felizmente há luar” é a primeira mostra individual da artista plástica, também arquitecta designer, e conta com o apoio da Associação Nacional de Arte e Criatividade de e para Pessoas com Deficiência (ANACED). 

Esta é também a segunda vez que o município de Moimenta da Beira recebe uma exposição proveniente desta associação.