quinta-feira, 27 de maio de 2010

«Notícia» - Faltam ao emprego para trabalhar pela aldeia

Populares reparam caminhos sem cobrar um cêntimo

"Um por todos, todos por um", é a palavra de ordem em Sever, Moimenta da Beira, onde homens e máquinas estão a abrir e a reparar caminhos agrícolas, sem cobrar um cêntimo, em nome do bem comum. É o regresso às aldeias do trabalho em comunidade.

Chegam às oito da manhã, mangas arregaçadas para uma jornada que pode ir até ao sol posto, e passam horas a carregar, a espalhar e a calcar aterro em caminhos agrícolas onde mal passava um carro de bois. Não olham para o relógio. Apenas param, quando o dia vai a meio, para reconfortar o estômago por conta da Junta de Sever. No fim da jorna, a saudação é a única moeda de troca.

"O mínimo que podíamos fazer pela dezena e meia de homens que se juntaram neste desafio, era garantir-lhes o almoço. Até porque muitos deles faltaram ao trabalho para estarem aqui com os seus tractores. É um verdadeiro exemplo de cidadania", reconhece Marcelino Ramos Ferreira, presidente da autarquia.

Poupança de milhares de euros
A ideia de apelar à solidariedade dos cidadãos partiu do autarca de Sever e foi ditada pela escassez de recursos financeiros e pela urgência em criar condições nos acessos para o transporte da maçã.

"Reuni com o pessoal num sábado, e na segunda-feira seguinte já o grupo estava disponível", revela Marcelino Ferreira. Que voltou ontem, com todos os voluntários, para mais uma jornada de reparação e alargamento dos caminhos para os pomares. "Já temos transitáveis duas dezenas de quilómetros", regozija-se.

O autarca admite que se o serviço fosse pago, o investimento era incomportável para a junta.

"Contando que cada um dos 16 tractores custa 240 euros por dia, em dois, teríamos desembolsado cerca de oito mil euros. Sem contar as retroescavadoras da Junta e da Câmara e ainda a mão de obra", explica Marcelino Ferreira.

Outro factor de sucesso é a disponibilidade dos proprietários na cedência de terreno. "Sem essas faixas, não poderíamos, em alguns casos, avançar. Chegamos a deitar muros abaixo com o seu assentimento", enfatiza.

Os caminhos arranjados permitem que a fruta chegue sã às cooperativas. "Os atrelados podem transportar 14 palotes de maçã, cada um com 400 quilos, que se for entregue pisada sofre uma penalização de 10 a 15%", explica um dos homens que, como os demais, é produtor de maçã.

"Esta união de esforços fomenta o espírito de comunidade. O povo sabe que está a cuidar dos seus interesses e pode contar com os meios municipais", congratula-se José Eduardo, presidente da Câmara de Moimenta da Beira. Fonte:JN

3 comentários:

amitaf disse...

OS MEUS MAIS SINCEROS PARABÉNS,PELA VOSSA INICIATIVA.

É CERTO QUE A IDEIA INICIAL,PARTIU DO VOSSO PRESIDENTE,MAS NÃO SERIA FINALIZADA SEM A GRANDE AJUDA DESTES GRANDES HOMENS.

AUTARCAS COM INICIATIVA,PRECISAM-SE NESTE CONCELHO.
AQUI ESTÁ UM EXEMPLO.
OS MEUS CUMPRIMENTOS A TODOS E À FREGUESIA DE SEVER

CaRaNgO disse...

Um exemplo a seguir por esse Portugal...nao podemos estar sentados á espera do Estado no estado que este está,aliás o colocaram...a ideia partiu de quem devia partir e mais nada(fez o seu trabalho sr.presidente da junta,muito bem)...o povo acedeu de boa vontade a um trabalho voluntário com beneficios a curto prazo ao seu dispor.
MUITO BEM...seria muito mau se assim nao tivesse acontecido...

carango-moimenta da beira

manjerico disse...

Estou de acordo com os dois anteriores comentários.
E mais:

Penso que se o Sr.Presidente da Câmara,se manifestasse,e desse um ELOGIO,que diga-se de passagem,que seria muito bem visto pela população de Sever,e quem sabe,os outros presidentes,tivessem um rebate de consciência e vissem as necessidades das respectivas freguesias,e lhes SEGUISSEM O EXEMPLO.

Embora esteja longe,aqui deixo desde já o meu elogio e:

UMA SALVA DE PALMAS PARA SEVER