domingo, 28 de março de 2010

«Notícias» - O fim do calvário na EN 229

Governador civil quer alternativas à circulação durante as obras

A Estradas de Portugal vai reforçar a sinalética e sugerir alternativas a quem circula na EN 229, entre Viseu e Sátão, sujeita a obras de requalificação. Tudo para acabar com o suplício dos automobilistas que esperam e desesperam em longas filas de trânsito.

A decisão foi tomada depois de o governador civil, Miguel Ginestal, ter alertado a empresa para as reclamações constantes dos automobilistas que percorrem aquela estrada diariamente. Queixas que incidem no tempo perdido em longas filas, provocadas pela circulação alternada em algumas frentes de obra, estragos nos veículos e escassez de sinalética.

A situação mais problemática regista-se entre a Recta do Pereiro e Cavernães, troço para o qual o governador civil pediu uma maior atenção da EP.

"Sugeri que fossem estudadas vias alternativas no sentido Sátão/Viseu, aproveitando as estradas entre Pedrosas, Barreiros, Cepões e Cavernães e entre S. Pedro de France e Cavernães", explica Miguel Ginestal.

Foi ainda pedido o reforço e a melhoria da sinalética e a colocação de placas a informar sobre a situação dos trabalhos em curso.

"A EP comunicou que irá de imediato fazer o levantamento das vias e trajectos alternativos, pelo que se espera a resolução em tempo breve dos constrangimentos rodoviários identificados", refere Miguel Ginestal.

A intervenção do governador civil surge poucos dias depois de o "caos" que se vive na EN 229 ter sido denunciado numa reunião entre a Câmara e as juntas de freguesia.

Naquela reunião, o autarca de Cavernães, Jorge Martins, anunciou ter tido conhecimento da criação de um movimento de moradores na EN 229, disposto a medidas mais radicais para neutralizar os efeitos das obras. Fonte: JN

1 comentário:

fv disse...

Pois é.

É uma grande seca que se apanha nesta estrada com as obras,que nunca mais acabam.


PARECEM AS OBRAS DE STA. INGRÁCIA.
ESTAMOS NO NORTE,MEUS SENHORES.

QUER QUEIRAM ACREDITAR QUER NÃO,CONTINUAMOS A SER DESCRIMINADOS EM RELAÇÃO AO SUL.

PARECE QUE SE PAROU NO TEMPO,PORQUE O RESTO DO PAÍS CONTINUA A SER PAISAGEM.

ABRAM OS OLHOS QUERIDOS NORTENHOS (QUE TAMBEM SOU)MAS NÃO TENHO PODER,E OS QUE O TÊM COMEM O SUOR DOS QUE TRABALHAM.

TENHO DITO.