sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

«Tecnologia» - Redes de Nova Geração no Norte

O Centro Escolar de Murça vai ser um dos primeiros beneficiários das Redes de Nova Geração (RNG) para as zonas rurais, cujo lançamento na zona Norte ocorre 6.ª feira, com a presença do Primeiro-Ministro.

O projecto das RNG das zonas rurais vai levar a fibra óptica a 139 concelhos do interior do País, que, devido à sua baixa densidade populacional, ficaram à margem dos enormes progressos que o País alcançou, nos últimos anos, nas telecomunicações.

É em nome da coesão territorial e do apoio às regiões mais desfavorecidas do nosso País, que não poderão estar afastadas do progresso tecnológico, que o Governo conseguiu apoio comunitário para um investimento de 180 milhões de euros para lançar nestas regiões uma infra-estrutura, que não está ainda disponível em muitas grandes cidades da Europa, mas que irá estar nos 139 municípios portugueses de menor desenvolvimento no sector das comunicações e consequentemente com insuficiências para o seu desenvolvimento económico e social.

O Governo considera que o investimento em RNG constitui um avanço de tal forma importante para o País que se revela fundamental garantir que todos os portugueses beneficiem desta infra-estrutura estratégica e não apenas aqueles localizados nas zonas de maior desenvolvimento.

O projecto englobou três concursos no Continente (Norte, Centro e Alentejo e Algarve). O contrato para as RNG da zona Norte, cujo concurso foi lançado a 10 de Julho de 2009, foi adjudicado à DSTelecom (DST), por um prazo de 20 anos.

Com um investimento de 68,7 milhões de euros, irá abranger oito distritos (Aveiro, Braga, Bragança, Guarda, Porto, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu) e 44 concelhos (Arouca, Castelo de Paiva, Povoa de Lanhoso, Vieira do Minho, Terras de Bouro, Cabeceira de Basto, Celorico de Basto, Alfândega da Fé, Macedo de Cavaleiros, Miranda do Douro, Mogadouro, Vimioso, Vinhais, Carrazeda de Ansiães, Freixo de Espada à Cinta, Torre de Moncorvo, Vila Flor, Vila Nova de Foz Côa, Baião, Arcos de Valdevez, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Ponte da Barca, Vila Nova de Cerveira, Boticas, Montalegre, Murça, Valpaços, Alijó, Mesão Frio, Sabrosa, Santa Marta de Penaguião, Mondim de Basto, Ribeira de Pena, Armamar, Moimenta da Beira, Penedono, São João da Pesqueira, Sernancelhe, Tabuaço, Tarouca, Cinfães e Resende). Ou seja, uma população de cerca 490 000 pessoas.


Novas oportunidades para os cidadãos e as empresas

O investimento global será de 182 milhões de euros, com financiamento comunitário de 106,2 milhões, garantindo-se que as RNG chegam a mais 800 mil lares e 50 000 estabelecimentos empresariais e a mais de 1 milhão e duzentos mil portugueses.

As RNG abrem todo um mundo novo de oportunidades, na organização do Estado e muito em especial na vida dos cidadãos, assegurando-lhes o acesso a serviços de elevado padrão nas áreas da saúde, da educação, da relação com o Estado, do funcionamento empresarial e também no campo do acesso à informação e entretenimento.

No campo da saúde, as RNG vão possibilitar o desenvolvimento da telemedicina, permitindo fazer consultas, efectuar diagnósticos e até mesmo monitorizar intervenções cirúrgicas à distância. No campo da educação as RNG vão potenciar um ensino baseado em conteúdos digitais altamente interactivo e entusiasmante na relação professor aluno e envolvendo pais, alunos e professores no processo de ensino e acompanhamento do aluno.

Isto significa que as RNG vão melhorar de forma determinante a qualidade de vida dos portugueses e nomeadamente daqueles que, vivendo em zonas rurais, têm estado mais afastados do acesso ao desenvolvimento tecnológico.

Sectores como o turismo cultural, social e de lazer, o artesanato, a agricultura biológica, os produtos regionais, os serviços remotizados via telefone e internet para assistência técnica e comercial, o teletrabalho, entre outros, terão agora uma nova oportunidade de crescimento relançando das economias rurais a partir da poderosa ferramenta de comunicação e transaccional que constituirão as novas redes em construção.

Portugal tem hoje 4,8 milhões de acessos instalados por vários operadores em concorrência, 3,2 milhões de casas e entidades empresariais, com serviço disponível, garantindo-se uma cobertura territorial de 75% do País e um acesso potencial de sete milhões de portugueses. Mais de 10% dos portugueses com serviço de subscrição de TV paga fazem-no através das Redes de Nova Geração.

Fonte: Portal do Governo

4 comentários:

Hugo Santos disse...

Grande Notícia para o Interior do País.

Excelente notícia para Moimenta.

Sem investimento nós (Interior) não vamos a lado nenhum.

Hugo Santos

Anónimo disse...

Ora...cá está uma boa notícia!!!

Anónimo disse...

GRANDE GRANDE Notícia!!!

Guia Marista (Vouzela) disse...

Pena que as aldeias fiquem sempre prejudicadas...nem adsl, nem banda larga, nada funciona....como em Nagosa...è mesmo pena.